TARZAN - Dell - USA - nº 115 - Nov / Dez 1959

TARZAN - Dell - USA - nº 115 - Nov / Dez 1959

TARZAN - Um exemplar da Dell - USA - de 1959, com uma belíssima capa. Gibi colorido. Tarzan, o herói criado por Edgar Rice Burroughs, fez sucesso no mundo todo e continua fazendo até hoje. Tarzan, sem dúvida, é o grande herói de todos os tempos e de todas as idades.

Editado em vários países, em inúmeras línguas e formatos, inclusive livros, impõe-se como o mais puro dos heróis, integrado ao ambiente em que vive - a selva - e, muito antes da atual e tardia febre ecológica, já transmitia ensinamentos de preservação e de respeito à natureza.

Tarzan, paradoxalmente, não tem traumas e nem grandes questionamentos, como convém aos modernos super-ultra-maxi-heróis. Viu-se só na selva violenta, ainda bebê, foi amamentado e criado por uma macaca e vive livre, sem preocupações, sem pressões, apenas mantendo a ordem e a justiça em seus domínios. Neste sentido, transforma-se em fera, não aceita injustiças, é puro e, às vezes, até ingênuo, mas tem uma percepção aguçada do mundo, jamais será enganado. 

Inúmeros grandes desenhistas já se dedicaram a Tarzan. Entre eles, é importante registrar: Hal Foster, Burne Hogarth, Russ Manning, Jesse Marsh, Joe Kubert, Rex Maxon, Dan Barry, John Buscema, Bob Lubbers e José Ortiz, os quais, sem exceção, e cada um dentro de seu estilo, produziram valiosas imagens do Homem-Macaco. 

Houve um filme, "Greystoke, a lenda de Tarzan", de muito bom nível, mas que tentou mostrar um Tarzan amargurado, inseguro, sem rumo, e gerou muita controvérsia principalmente por parte da crítica e do próprio público; foi, na verdade, um grande fiasco. A maioria do público não gostou. Aquele não era o Tarzan que conhecemos e, efetivamente, não teve o sucesso esperado. 

É certo que Tarzan sofre hoje um cerrado e não declarado ataque dos citados super-heróis interplanetários, dotados dos mais diversos super-poderes, tão cultuados nos tempos atuais, mas sua estrela brilha muito, ele parece ter "sete vidas". Tarzan, um pouco indiferente a esse ataque permanente, paira absoluto no alto de sua grandeza.

Quando menos se espera Tarzan reaparece, justo, protetor, generoso, mas mortal para aqueles que trilham, em seus domínios, os sombrios caminhos da ambição e do crime.   

 

                                   Vejam abaixo uma belíssima página de John Buscema para Tarzan (esta

                                                     página não se refere ao gibi acima publicado)

                           

                                                                              https://hoopercomicart.blogspot.com.br